ASBRAD

Associação Brasileira de Defesa da Mulher, da Infância e da Juventude

Pesquisa

As pesquisas foram realizadas nos seguintes países: Argentina, Brasil, Colômbia e Peru e foram coordenadas pela Aliança Global Contra o Tráfico de Mulheres (GAAWT).

Orientadas pela metodologia de Ação Participativa Feminista, mulheres migrantes colaboraram individualmente e em Grupos Focais. As entrevistas objetivaram compreender desafios sociais e econômicos, em fluxos de migração mista . Bem como, ajudaram a identificar as diversas formas de violências, vivenciadas nos contextos de isolamento social e fechamento das fronteiras.

Como resultados regionais comuns, percebeu-se que os direitos das mulheres migrantes foram violados devem ser constantemente defendidos. Não por razões protecionistas, mas porque as políticas de proteção social, trabalho e migração existentes, ignoram, em grande parte, que o gênero desempenha um papel importante na forma como diferentes populações experimentam a migração. Ao contrário do discurso popular, que tradicionalmente caracterizava as mulheres como agentes passivos na migração, nas últimas décadas, temos visto um aumento na feminização da migração para o trabalho. E, a manutenção de mulheres em trabalhos precarizados e estrutural envoltas por violências.

No informe sobre o Brasil, a Asbrad dialogou com 35 mulheres venezuelanas, que moram na cidade de Guarulhos-SP e são apoiadas pelo Projeto Mundo Plural- Centro de Apoio aos Migrantes, (serviço executado pela Asbrad com apoio do Ministério Público do Trabalho, da Latam). Foram abordados desafios: da interiorização, acesso às políticas públicas, dificuldades na geração de emprego e renda e aumento da violência doméstica e familiar durante o isolamento social.

Os demais informes regionais abordaram: 1- contextos de mulheres, migrantes na Região Metropolitana de Buenos Aires (por CAREF/Argentina). 2- Experiências de retorno para a Colômbia, de mulheres migrantes e vítimas de tráfico de pessoas (por Espacios de Mujer/Colômbia) 3- Contextos de empobrecimento de mulheres venezuelanas no Peru (por CHS Alternativo/Peru). 4- Trajetórias de cuidado e trabalho de mulheres migrantes no Uruguai, (por Idas & Vueltas /Uruguai).

Os resultados das pesquisas geraram planos de ações em advocacy que serão implementados pelas organizações parceiras, de forma individual e coletiva, incluindo estratégias em níveis: locais; nacionais e regional.


A Asbrad é uma das 55 instituições que fazem parte da Plataforma Regional R4V de Coordenação Interinstitucional (Resposta aos Venezuelanos), criada como fórum para coordenar as ações de agências da ONU e organizações da sociedade civil que visam promover o acesso a direitos, serviços básicos, proteção, autossuficiência, integração socioeconômica e comunidades de acolhimento para refugiados e migrantes da Venezuela.


Baixe as pesquisas:
(Clique para abrir) Construyendo un Mundo Plural. Experiencias y percepciones de mujeres migrantes venezolanas en Guarulhos, São Paulo, a cargo de ASBRAD (Brasil). www.asbrad.org.br
(Clique para abrir) Cortar los nudos. Mujeres, migrantes y cooperativistas en el Área Metropolitana de Buenos Aires, a cargo de CAREF (Argentina). www.caref.org.ar

(Clique para abrir) Sostener la vida a través de las fronteras. Cuidados y trayectorias laborales de mujeres migrantes en Uruguay, a cargo de Idas & Vueltas (Uruguay). www.idasyvueltas.org.uy

(Clique para abrir) Vivencias en el retorno y la reintegración. Mujeres migrantes y víctimas de Trata retornadas a Colombia, a cargo de la Corporación Espacios de Mujer (Colombia). www.espaciosdemujer.org
Inclusión social y económica de mujeres migrantes venezolanas en Perú. Transiciones migratorias y trayectorias laborales, a cargo de CHS Alternativo (Perú). www.chsalternativo.org

Conheça outras pesquisas de Ação Participativa Feminista desenvolvidas com mulheres migrantes:
https://www.gaatw.org/resources/publications
(Clique para abrir) Mujeres Migrantes contra la Violencia en el Mundo del Trabajo: La industria de la moda en Sao Paulo © 2019 / Associação Brasileira de Defesa da Mulher da Infância e da Juventude- Asbrad – ASBRAD

(6) ¡Menuda manera de ganarnos la vida! MUJERES MIGRANTES CONTRA LA VIOLENCIA Y EL ACOSO EN EL MUNDO DEL TRABAJO EN ARGENTINA, BRASIL, PERÚ, COLOMBIA, GUATEMALA Y MÉXICO